Nêsperas em calda

Oct 02

Nêsperas são frutinhas graciosas, frágeis e um tanto esquecidas. Pêssegos e ameixas costumam ser mais populares e presentes. A nêspera tem origem japonesa e costuma aparecer nos mercados nesta época do ano, vendidas em bandejinhas, mas também costumo ver pés da fruta em praças e parques. Lembro que na época que era estudante em Bauru, marido e eu costumávamos percorrer as ruas da cidade em busca de árvores frutíferas e encontramos nespereiras tentadoras dentro da USP, mas é claro que não arrisquei pular os muros altos da universidade… É uma fruta ótima para fazer geleias e saladas com folhas verdes, mas nunca tinha feito nêsperas em calda. Bom, se há pêssegos em calda vendidos enlatados, porque não experimentar fazer o mesmo com as nêsperas? Mesmo porque nêsperas não duram muito, apodrecem rápido. O fruto vai escurecendo de dentro pra fora, por isso é bom comprar as frutinhas sem manchas na casca. Fazer compotas é um bom modo de conservá-las por mais tempo!

Minhas nêsperas ficaram ótimas, pena que eu não tinha sorvete em casa para acompanhar (acho que daria uma combinação bacana!). Deve ficar gostosa na salada de frutas também!

Para quem se interessar, fiz assim: Coloquei uns 400ml de água + 1 xícara de açúcar numa panela e levei ao fogo para ferver (quem gostar pode colocar cravo ou um pau de canela, deve ficar interessante!). Deixei ferver uns 10 minutos. Enquanto isso, peguei 2 bandejas de nêsperas, descasquei, cortei ao meio, retirei as sementes e a pele interna que separa a fruta da semente. Juntei à panela e deixei ferver e engrossar (uns 20 a 30 minutos em fogo baixo). Aí é só dispor em vidros esterilizados com tampa. Infelizmente, como é a primeira vez que fiz, não sei dizer quanto tempo elas duram na geladeira.

Leia mais

Crocante de bananas e chocolate

Sep 27

No fim de semana fiz este crumble que saiu no programa Cozinha Prática, da Rita Lobo. Apesar de não ser tão fã das receitas dela, achei bem legal ela ter usado a palavra “crocante” em vez de “crumble”, termo que importamos do inglês e eu não sabia bem achar uma tradução. Ficou mais bonitinho e acessível (já experimentou dizer crumble pra alguém?). Nunca tinha feito crocante de bananas, por sempre acabar dando preferência a frutas mais azedinhas, tipo maçãs, peras ou até morangos, mas desta vez eu tinha que dar fim a uma penca de bananas-ouro que ganhei da minha mãe (de novo elas, oh god!). Ser filha dos meus pais significa ganhar estoque ilimitado de frutos do mar, peixes e bananas-ouro, já me conformei! Talvez eu morda a língua e siga essa “tradição” que mamãe herdou da minha avó, que também não hesitava em encher sacolinhas com o que ela tivesse de comer em casa, sejam frutas, doces, qualquer coisa. Aí ela entregava na saída da casa dela, como se não tivéssemos comida na geladeira de casa. Era uma mania, mas como era gostosinho esse carinho!

Bom, voltando ao crocante, fiz as minhas alterações, como sempre, e a receita que passo aqui é o jeito que eu fiz. Quem quiser fazer a receita original, dá um pulo aqui ó. Troquei as bananas prata por ouro, usei chocolate meio amargo em vez de branco (porque banana ouro já é bem doce e calórica), troquei o suco de laranja por suco de tangerina e acrescentei uvas passas molhadas no conhaque (adoro isso!).

 

Para o recheio:

Ingredientes:
12 bananas-ouro
80g de chocolate meio amargo picado
½  xícara (chá) de suco de tangerina
50g de uvas passas
conhaque ou rum suficientes para cobrir as passas
 
Modo de preparo:
Embeba as passas no conhaque (ou rum) até elas incharem.
Preaqueça o forno em temperatura média.
Descasque e corte as bananas em rodelas. Disponha-as num refratário e espalhe as passas, o chocolate e regue com o suco de laranja. Misture bem.
 
Para o crocante:
Ingredientes:
1 xícara (chá) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de açúcar demerara
½ xícara (chá) de aveia em flocos
80g de manteiga gelada cortada em cubos pequenos (usei manteiga meio-sal da foto aí embaixo, que eu nem sabia que existia. Se você usar manteiga sem sal, é legal por uma pitada de sal)
¼ de colher (chá) de fermento em pó
Modo de preparo:
Numa tigela, misture a farinha, a aveia e o fermento. Junte a manteiga e misture com as pontas dos dedos até formar uma farofa. Não incorpore muito, pois quanto mais inteira ficar a manteiga, mais crocante ficará a massa. Distribua a farofa por cima da banana e leve ao forno até dourar.
Fica ótimo se servido quente com sorvete!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia mais

crumble de maçãs com sorvete ou aperfeiçoando o que já era bom!

Jun 06

Já dei a dica e a receita num post lá atrás, mas como repetir coisas boas nunca é demais, tenho que deixar registrado aqui uma alteração de leve que fiz no meu crumble no último fim de semana que deu uma levantada nele! Já disse né que adoro fazer crumble, porque a receita atende a 3 requisitos fantásticos para alguém que está sempre correndo como eu: é rápido, é fácil e todo mundo gosta!

Aproveitei a ideia da marinada que fiz no bolo de maçã com passas, o que realçou ainda mais os sabores dessa sobremesa. Foi assim: piquei 4 maçãs (usei fuji, mas a Granny Smith, ou verde, cai muito bem também), juntei suco de meio limão siciliano, conhaque ou rum (umas 4 colheres de sopa, mas fique à vontade se quiser por mais) e açúcar (umas 3 colheres de sopa). Deixei por 1 h na geladeira num refratário fechadinho. Enquanto isso, preparei a farofa: 3/4 de xícara de farinha de trigo, 3 colheres (sopa) de manteiga sem sal, 3 colheres (sopa) de açúcar, 1 pitada de sal, amêndoas (pode ser nozes ou castanhas do pará também) a gosto. É só misturar tudinho até virar uma farofa. Espalhe sobre as maçãs até cobri-las por completo. Forno por uns 40 minutos (180º C) e voilá! É só servir com o sorvete de sua preferência. Dessa vez fui de chocolate branco. Deliciem-se!

Leia mais

Cheesecake de peras e passas

Apr 26

Estou em pleno período de clausura pós-parto. Quem é mãe sabe o quanto um pequeno de 3 meses diminui drasticamente as saídas de casa. 90% das minhas saídas são passeios com o Eric, que são pra lá de gostosos e revigorantes (papai e mamãe se derretem ao ver o pequeno cada vez mais risonho e entretido com objetos e com as feições das pessoas)! Para mim, que sempre curtiu muito ficar em casa e desde pequena sempre arranjou alguma arte pra fazer no aconchego do meu lar, ficar em casa em tempo integral com meu bebê não tem sido um graaande problema. Acontece que tanto tempo em casa tem deixado minha cozinha bem animada! Já tô treinando para servir um cardápio bem bacana e caseiro ao filhote quando ele for maiorzinho! Fora que amamentar um bebê tão gordinho tem me dado uma fome ferrenha!

Aí fiquei com desejo de cheesecake! Já falei que cheesecake é um dos meus doces preferidos? Adoro essa misturinha de doce e salgado! Aprecio deveras qualquer doce que leve um queijinho! Vou me deter aqui a explicar como fiz meu cheesecake, mas só sigam a receitinha à risca aquelas que como eu não curtem doces muito doces, viu! Sou daquelas que quase sempre corta pela metade a quantidade de açúcar das receitas e que geralmente costuma achar as tortas e bolos que provo fora de casa bem carregados no açúcar. Também costumo sempre mudar os ingredientes das receitas que sigo, adapto com o que tem em casa, enfim… sou desobediente! Como serei eu a principal vítima de minha própria culinária, por que não arriscar, variar e inventar, né? Talvez as formigonas se decepcionem com a falta de açúcar dessa sobremesa, mas olha, eu amei a combinação do sabor e da textura das peras com as passas, ô coisa boa, viu! Rendeu uma cobertura simples e perfeita para o cheesecake!

Comecei fazendo a base de torta mais fácil do mundo: biscoito + manteiga. Depois que comecei a fazer bases de torta assim, dá uma preguiça do cão de pegar farinha, manteiga, ovos… Deus é mais!

Usei 250 g de biscoito Maria triturada no liquidificador e 100g de manteiga sem sal em temperatura ambiente. Misturei bem até virar uma farofa. Esta quantidade forra direitinho o fundo e as laterais da minha forma de fundo removível de 25 cm de diâmetro. Aí deixei uns 8 minutos em forno pré-aquecido a 180 graus.

Ainda no liquidificador misturei 2 ovos caipiras, 1/2 lata de leite condensado (se quiser mais doce, use toda a lata), 300g de ricota, meio copo de requeijão, 1 copo de iogurte natural, 1 colher de chá de essência de baunilha. Se estiver muito grosso, vá ajudando com uma colher até todos os ingredientes se incorporarem e formar um creme lindo. Aí adicionei uma colherzinha de casca de limão ralada para dar uma perfumada. Deitei sobre a massa assada e voltei ao forno por uns 40 minutos. Retire e deixe esfriar. Depois de frio, deixo umas horinhas na geladeira.

Cobertura: amassei 3 peras Williams maduras no garfo e juntei o suco de meio limão grande. Numa panela joguei 3 colheres (sopa) de açúcar demerara (de preferência orgânico) e deixei derreter de leve para dar uma corzinha na minha cobertura. Juntei as peras e cozinhei em fogo baixo até apurar e formar uma caldinha brilhante. No final do cozimento juntei uvas passas claras, salpiquei canela em pó e deixei mais alguns minutinhos. Deixei amornar e cobri lindamente meu cheesecake!

Leia mais

Torta de limão e chocolate

Mar 19

Sou daquelas que odeia, odeia jogar comida fora. Meu pai deve se sentir orgulhoso do tanto que ele tentava me constranger falando das pobres criancinhas mal-afortunadas que passam fome debaixo das pontes por aí e eu ali na mesa fazendo cara feia pro jantar. Mas é que, de verdade, me dá agonia jogar comida fora! Até em restaurante eu tento comer tudinho. Acho cafona quem acha bonito deixar comida no prato.

Agora, adulta, com uma cozinha para pilotar, minha cabeça está sempre voltada para o que tem na geladeira e na despensa e o que está para vencer primeiro. Aí a gente aprende a fazer umas análises combinatórias internas, tentando juntar lé com cré e resolver o almoço, o jantar ou a sobremesa do dia. Eu tinha uma barra de chocolate meio amargo, um pacote enorme de biscoitos maizena (era para um pavê de fim de ano que acabou sendo abandonado, vai vendo…) e limões nas últimas. Aí pimba: isso dá uma torta de limão luxo!

e foi assim: fiz aquela massinha básica e preguiçosa para tortas. Peguei 2/3 do meu pacote de biscoitos (isso dá 250g) e triturei no liquidificador até virar uma farofinha. Botei numa vasilha e juntei o pouco que eu tinha de chocolate em pó (1/2 xícara) + 3/4 de uma embalagem de manteiga sem sal em temperatura ambiente. Amassei e forrei o fundo e um dedinho da lateral da minha forma de fundo removível. Levei à geladeira por 1 hora mais ou menos. Aí peguei o chocolate (180g), tirei uma fileirinha para raspar e decorar a torta no final e com o resto fiz uma ganache, derretendo-o no microondas (uns 15 segundos dão conta do recado) e misturando com uma caixinha de creme de leite (tem coisa mais linda que ver aquele chocolate brilhante se incorporando ao creme de leite?). Joguei por cima da massa e levei à geladeira de novo para firmar. Aí parti para o creme de limão: raspei as cascas de 2 limões e espremi o suco deles. Numa tigela, joguei uma lata de leite condensado, 1 caixinha de creme de leite, o suco de limão + as raspas. Mexi tudo e acrescentei meio pacotinho de gelatina em pó sem sabor hidratada de acordo com as instruções da embalagem. Geladeira de novo (deixei de um dia pro outro). Aí no final foi só decorar com raspas de chocolate e limão.

Sobremesa singela, clássica, que agrada todo mundo! O que mais a gente pode querer, hein!?

Leia mais