sobre prioridades e receitas infames

May 24

foto: Corbis

Depois que virei mãe meu tempo diminuiu drasticamente. Quem é mãe sabe como é verdade! Mas isso tem um lado bacana (tudo tem!): estou aprendendo a priorizar as atividades, mesmo as virtuais, e isso tem sido ótimo! Já devia ter feito isso antes (shame on me!), porque o tempo que a gente perde lendo futilidades e coisas que não te ajudam em nada não tá escrito! Não que eu ache que a gente só deve ler coisas edificantes e inteligentes na internet, mas andei reparando que muito do que eu acompanhava nem me divertia, não me acrescentava nada, nem me fazia sorrir, muito menos me sentir melhor… Limei! Unfollow total! Tudo isso caiu fora do meu dia-a-dia e do meu reader! Xô!

Sigo muitos blogs há anos. Sou daquelas que adora começar o dia com uma boa xícara de café e uma sondada no que acontece nos lugarzinhos mais interessantes da blogosfera (acho meio quadradinho falar “blogosfera”, mas falei, pronto), mas muita coisa tem me enjoado! Já disse em algum post lá atrás que aquela comoção por esmaltes de unha, por exemplo, já tava cansando, não que eu não curta o tema (quem não gosta de uma peruagem, de uma unha bem feitinha de vez em quando?), mas admito que o excesso de posts em cima de cores e mais cores e modos de se pintar a unha já tava me dando nos nervos. Parecia uma discussão em cima do nada! Quando vi, já pulava tudo que era post sobre o assunto. Posts sobre como se maquiar assim ou assado já deu pra mim também! Aliás, quantas pessoas vocês conhecem que fazem uma super produção na maquiagem todos os dias? Na minha vida simplinha, as pessoas se atêm, no máximo, a um batonzinho e a uma base para sair de casa. Até o make de festa é levinho, acho que estou no mundo errado, rs… e juro que eu acho bizarro entrar, por exemplo, em algumas lojas (algumas de rede e acho que vocês sabem de qual estou falando) e ver atendentes mega-maquiadas, com pálpebras azuis ou verdes, bochechas vermelhinhas feito bonecas, aff… minha cabeça não processa! Vai ver minha vida é bem mais simplória do que julgam estes blogs, rs…  O que incomoda não são os PAPs, mas é o excesso, que faz parecer que tudo tem receitinha. Aliás receita é o que não falta quando a gente vai se vestir também, socorro! Parece que há um modo correto de se vestir e ficar “na moda”, é color block, nude, forro do bolso do shorts aparecendo, sapato com tachinhas e outras modinhas que vão se alastrando ad infinitum e de repente tá todo mundo parecido! Olha, eu não acho que essas febrezinhas são necessariamente bobas e fúteis. Elas devem servir para algumas pessoas, mas penso que é uma minoria. Se você não é uma delas, avalie se não está perdendo seu precioso tempo! O excesso de imagens de determinadas roupas e jeitos de se vestir nos dão a ilusão de que tem mais gente se vestindo daquele jeito X nas ruas, mas olha, acho que a gente tem que olhar pros nossos arredores, pra nós mesmas e simplesmente ter noção e bom senso. A vida real, aqui e agora, não tem photoshop, não tem filtro do Instagram, e se você seguir à risca algumas modinhas, corre o risco de você sair fantasiada de “blog de moda” na rua. Gente, divirtam-se para se vestir, ok?

Como tudo na vida, as tendências não servem para todo mundo. Sim, infelizmente nem todas tem o corpo ideal para usar determinadas peças, outras pessoas simplesmente não combinam com a moda em vigor ou não habitam um tempo-espaço-dimensão coerente com aquele padrão. Na verdade, há coisas que não se encaixam, há mulheres que não se encaixam na última modinha que pipoca nos blogs e revistas de moda, é bem simples! É a vida e é uma delícia que seja assim! Pessoas, somos adultas e ninguém precisa chorar e fazer bico porque não tem o corpão da revista ou não tem as cifras da colega rica, que só compra roupas com vários dígitos na etiqueta! Deixa isso para as adolescentes, que têm tempo pra esse dramalhão. No meu entender, elegante e segura é a mulher que sabe o corpo que tem, o bolso que carrega e entende suas relações de consumo, que não vai, lôka, pegar fila e se digladiar no provador com a peruada no lançamento da coleção do estilista famoso para alguma loja de departamento do shopping mais próximo.

Há mulheres invejáveis por aí, lindas e distintas, que se vestem lindamente com pouquíssima grana, com um guarda-roupas bem magrinho, mas é porque elas sabem escolher o que valoriza o seu shape, a sua estatura, peso e proporções, ó só que lucidez!! O fato de ter pouco dinheiro as faz comprar menos, pensar mais na hora de consumir e optar pelos clássicos que podem ser usados por anos a fio. A pobreza falta de recursos estimula a criatividade que só vendo! E pensem na nobreza daquela que faz suas próprias roupas, compra de pessoas que fazem peças artesanais sob medida ou ainda reforma suas roupas! Vejam só, que coisa moderna e atual! Não era para falar do Tofu Studio, mas não vou passar este post sem dizer: nossa freguesia arrasa, viu! Conheço parte da mulherada que usa nossas peças e posso dizer que elas são da mais alta estirpe, pessoas criativas e leves, nem um pouco pedantes, que não estão nem aí para esses códigos de moda maçantes, preferem o limpo, descomplicado, com alguma loucurinha aqui e ali no look. Ó que gente esperta!

Fina e elegantérrima também é aquela que compra consciente do impacto social e ambiental que aquela peça produz, porque né, é triste comprar uma peça de moda passageira numa loja que troca de vitrine adoidado, porque está sempre atrás da última tendência, e para manter esse ritmo alucinado tem que mandar fazer suas roupas numa confecção predatória e xexelenta, escondida em alguma canto da cidade ou lá no fim do mundo. É melancólico ver que aquele vestido que você mal usou já está datado e você tem que deixá-lo no fundo do armário ou se desfazer dele, porque se você sair na rua com ele, meu bem, azamigas peruas vão achar você tão, tão last season, ô dó!

Enfim, tô fugindo das receitinhas virtuais (e do mundo real também) e dando prioridade às atividades que trazem algum bem-estar ao meu dia-a-dia. É um descarrego fazer isso, viu!

Leia mais

look do dia

Aug 29

ah, gente, isso sim é que é ser rhyca! A Sofia Coppola se casou neste fim de semana usando um vestidinho cinza, leve, curto, fofo! Admiro muito quando gente poderosa opta pela simplicidade, apesar de poder pagar pelo casamento mais suntuoso do mundo! Acho fino e digno, porque gente sem grana imitando os clichês de festa de rico é a coisa mais cafona do mundo, não é!?

Leia mais

ilustração de moda

Jul 06

Izak Zenou cria ilustrações de moda finíssimas e modelinhos que você vai querer para você!

Leia mais

o céu com a Kate Spade

Mar 14

Olha, vou dizer, se eu pudesse ser a designer do meu próprio paraíso eu certamente colocaria lá a loja toda da Kate Spade, tá! Daí eu me deleitaria com tudo para todo o sempre!

Por que a  marca me inspira?

- porque o uso das cores é sensacional;

- porque o uso de tecidos acetinados é uma perdição;

- porque o estilo traduz muito bem o que é ser uma novaiorquina hoje;

- os editoriais são impecáveis e têm uma pitadinha de bom humor. Sensacional!

só peças amarelas do site novo!

Leia mais

como usar chapéus pretos?

Nov 15

Desde que o chapéu Ingrid foi lançado ali na loja, rolou um certo “não-sei-como-usar-isso-meu-deus!” por parte de algumas queridas que passeiam por aqui, mas ó, chapéu preto não é nenhum enigma fashion e além de fazer bonito em ocasiões formais, ele pode ser incorporado nos looks do dia-a-dia sem problemas dependendo do seu estilo.

Sim, eu sei, as brasileiras não usam muito chapéu, coisa que eu acho um pecado com o solão que frita nossos cucurutos no verão e também por causa das temidas manchas de sol na pele! Meninas, cuidem-se para não serem apresentadas ao melasma precocemente, viu! Você pode se tornar uma velhinha arrependida!

Entonces, a melhor regra de todas é ser criativa e fazer do chapéu uma peça que complemente e traduza o seu estilo, que pode ser:

despojado:

arzinho vintage:

moderno e divertido:

fresco e levinho:

misterioso:

DIVA (haha, é o meu preferido, contanto que nenhum gatinho siamês tenha sido morto):

Fotos: reprodução

Leia mais