Arquivo da tag: DIY

Reforma de vestido ou porque não pratico rolezaum no shopim

Prometo poupá-los de ter que ler aqui teorias profundas sobre o mais novo fenômeno do momento: os rolezinhos. Portanto, apesar do título aí em cima, podem continuar lendo este post sem medo, porque juro que não sei teorizar sobre gente se reunindo em shopping e seguranças/polícia descendo o pau. Mas explico: faz uns 5 anos que peguei um banzo geral de shopping por motivos variados. Primeiro, porque não moro mais perto de um, depois porque compro quase tudo de que preciso pela internet. Tem também o fato de os shoppings cobrarem estacionamento. Não acho que seja mera pão-durice da minha parte, acho descortês cobrar do freguês que vai até o seu estabelecimento disposto a comprar, ainda mais quando o faturamento do shopping já é tão alto. Enfim… Aquilo também está cada vez mais lotado, com produtos cada vez mais caros e meia-boca. Então não fica difícil concluir que eu não tenho mais nada pra fazer lá! Claro que às vezes eu vou, porque não dá pra fugir e você precisa de algo que só tem lá ou é mais fácil conseguir lá e não sou dada a radicalismos, mas vou nos horários mais esdrúxulos e ermos, tipo 10h da manhã (sou uma pessoa que espera os estabelecimentos abrirem, geralmente acompanhada de velhinhos e velhinhas fofas. Adoro!). Com um filho pequeno, cada vez mais esperto, também não quero que ele associe shopping a um passeio ou programa de família, em que você só vê mercadorias, compra, come comida ruim, paga caro e, de brinde, ainda pode ser esnobado pelas vendedoras se não está com roupas de grife (até quando isso?!). Quero que ele entenda que aquilo lá é apenas um amontoado de lojas, aonde a gente vai quando precisa comprar alguma coisa que tem lá. Só isso!

O fato de costurar e ter birra de shopping e de provadores me estimula muito a comprar roupas online. Costurar, claro, ajuda a aplacar aquele medinho de a peça não servir. Dá uma sensação de poder (yes)! Às vezes, compro peças que ficam compridas demais, largas demais, não gosto de algum detalhe… mas sei que posso arrumar para ficar bem em mim e eu até gosto de reformar!

Estava com este vestido no guarda-roupas há uns meses. Achei que tinha potencial, afinal o tecido é bom e está bem costurado, mas vesti e me senti fugida de um pré-operatório, sabe, ficou com cara de hospital! Resolvi dar uma acinturada e o cortei ao meio. Foi preciso um tantinho de coragem (glupt!)

Aí overloquei e fiz pences (6 na frente e 2 atrás):

Dei uma franzida na saia para se ajustar à parte de cima, juntei as peças e deu um vestido bem legal, que estou usando muito! A foto abaixo não mostra muito bem como ficou, eu sei (na verdade, fiz a foto pra mostrar a bolsa). É uma das únicas que tenho, mas acho que dá pra ver que agora tá vestindo bem!

♥♥♥

Decorando uma luminária com contact!

Gente, essa é moleza! Eu tô pra ver projeto mais baba e libertador do que esse! Libertador porque, veja bem, você pode recortar papel contact nas formas que quiser e sair colando pela casa e se enjoar é só tirar! Não precisa de destreza, nem habilidade!

Queria dar uma colorida na luminária pendente que fica sobre a mesa de jantar, mas não estava disposta a pintá-la. E se enjoar? Gostaria de algo que pudesse ser mudado com facilidade. Minha luminária é toda branquinha, de metal e eu acho o formato bem moderno e charmoso! Não queria nada espalhafatoso, aí decidi cortar triângulos amarelos, coisa simples, mas que deram cara nova e divertida a ela.

Acho que cabe aqui um comentário: toda vez que compro objetos ou móveis pra minha casa, sempre busco peças que posso alterar depois. Sei lá, acostumei a pensar assim. Sempre vejo se a peça pode ser pintada, imagino outros puxadores quando há gavetas em algum móvel, penso em forrar cadeiras, trocar pernas de bancos e por aí vai. Não gosto de objetos e móveis estanque, sabe, aqueles que não permitem ou dificultam muito uma personalizada futura, porque e se enjoar, como faz? Não quero jogar fora, quero fazer a peça ficar com a cara da minha casa! Se eu tivesse optado por um daqueles lustres de vidro, todo rebuscado, por exemplo, além de não ter nada a ver comigo e com a minha vida, deixa pouca margem pra fazer qualquer coisa. Então pra mim e pro tamanho da minha casa e do meu gosto, coisas simples, linhas retas e pouco fru-fru são a pedida!

Deixei umas fotos do projetinho aqui, mas é tudo muito intuitivo! Você pode sair recortar formas simples e sair colando contact em fundos de estantes, em cadeiras, até rodapé pode ficar bacana! E eu já tô pensando em aprontar no meu buffet ou talvez nas batentes das portas… deixo para as cenas dos próximos capítulos…

 

 

pintando cadeiras de metal

Assim que vi a transformação feita nesta cadeira, lembrei daquelas cadeiras de boteco, sabe? Aquelas de metal que fazem conjunto com mesinha e, não raro, fazem propaganda de alguma marca de cerveja? Pois é, elas são clássicas e aposto que um monte de gente tem alguma cadeira dessas guardada em algum canto da casa! Joga fora, não! Reaproveita que elas podem ficar novinhas e charmosas! Diz aí se não é uma boa fazer um carinho nelas, pintar e fazer uma almofadinha, ainda mais com feriadão à vista? Elas podem dar um toque de cor à mesa de jantar, servir como criado-mudo ou até como móvel de apoio na sala!

 

 

antes que alguém se confunda: não fomos nós que fizemos a cadeira. O projeto e as fotos vieram daqui.

A pedidos, o projeto do sofá!

 

Como algumas pessoas pediram o desenho da estrutura do sofá, ei-lo! Se vocês clicarem nas imagens acima, os arquivos PDF serão abertos e vocês poderão salvá-los!

Como vocês podem ver, o sofá foi feito em módulos: braços, encosto e assento. As medidas do sofá pronto são estas: 180 x 78 x 74 cm (C x L x A).

Usamos 2 chapas de compensado virola, que foram comprados e cortados nesta loja. Madeireiras geralmente mantêm serviço de corte, mas só fazem cortes retos, não cortam em ângulo, nem em curvas. O corte curvo dos braços do sofá foram feitos em casa com uma serra tico-tico.

(A Leroy merlin também corta madeira, mas se não me engano, o preço era bem mais alto…)

Usamos alguns retalhos de madeira também, que já tínhamos em casa para fazer pequenos reforços nos cantos e juntas da base.

Para quem perguntou sobre o capitonê, costuramos os botões com uma linha de nylon bem resistente e uma agulha bem grossa e comprida, atravessando a espuma. Uma dica legal é fazer marcações na frente e nas costas da espuma para que o botão seja costurado bem no lugar que você deseja. Para ilustrar, esse vídeo é bem bacana (não se assustem, o que fizemos em casa foi mil vezes mais simples do que isso, mas é sempre legal ver profissionais em ação):

 

 

Repasso os gastos que tivemos:

Orçamento: R$ 512,20, uma bagatela se comparado aos sofás de qualidade semelhante que vimos nas lojas, que chegavam a custar 5 a 8 vezes mais!
lista dos materiais:
madeiras + serviço de corte: R$ 167,00
papelão: R$ 12,00
5 pés de madeira: R$ 90,00
lixas: R$ 3,20
espumas: R$ 149,00
zíperes: R$ 3,00
tecido do forro: R$10,00
sarja: R$ 60,00
parafusos de reforço: R$ 18,00
já tínhamos serra tico-tico, botões forrados, linha, parafusos, cola, grampeador de tapeceiro, verniz e pincéis em casa!

fazendo almofadas com fechamento em zíper – é sopa!

 

Taí um projeto nível moleza pro fim de semana! Eu tinha 1 metro desse tecido pra estofado lindinho, com ondas amarelas, que ornam direitinho com o sofá, sem ficar muito “combinandinho”, do jeito que eu gosto! Pensei em fazer acabamento com vivo, pensei em fazer bordas fofinhas como esta aqui, mas acabei optando pelo jeito mais simples e preguiçoso mesmo: zíper no fechamento e nenhum acabamento. Sabem como é: o tempo tá curto, tenho uma criatura fofa que me chama a todo momento e o sofá, o Eric, a casa precisavam de almofadas pra ontem!

Comprei uma fibra acrílica pronta para rechear almofadas. Esta retangular, de 50 x 30cm, comprei na Tok Stok, por um precinho camarada. Ela já vem com capa de TNT (o TNT que eles usam é vagaba demais, rasga à toa, mas como ele vai ficar dentro da capa, acho que vai dar pro gasto):

Cortei 2 pedaços de tecido com cerca de 2cm a menos na altura e na largura do que as dimensões do recheio acima. Sapequei zíperes amarelos lá do estúdio e overlockei todas as extremidades, porque o tecido desfiava horrores:

Aí foi costurar o zíper nas 2 faces da almofada, frente e costas. É beeem melhor usar o calcador para zíper, mas eu estava em casa e estava sem o bendito, daí foi com o calcador simples mesmo, na dificuldade:

Depois é juntar os 2 tecidos, face com face, e fechar! Se você é iniciante e não sacou o processo, tem um tutorial bacana aqui!

Como eu tirei poucas fotos, não deu para fazer um passo-a-passo bem detalhado… sorry!

E ó, meu sofá novo ficou lindão! Agora sim, posso dizer que ele é 100% feito à mão, feito por nós de cabo a rabo ♥

 

Um sofá feito em casa! Como? É possível?

Eric e o sofá! Nasceram quase juntos!
 

Vou começar este post com um grande parênteses:

(Alguém aí ainda lembra do nosso sofá, rs…? Para quem não acompanhou, vai aqui do lado na categoria “Fazendo meu sofá“. Revendo meus posts, vi que começamos em setembro/2011. Setembro! Quase um ano, hein! Bom, não levamos um ano para fazê-lo (imagina sentar no chão por um ano!). Ele até estava pronto, mas o estofado não tinha ficado do jeito que queríamos, o tecido ficou frouxo (grande aprendizado para o próximo projeto-tapeceiro é modelar tudo menor, bem menor). Aí, o Eric nasceu e sabe como é… muitas visitas, muito corre-corre e fomos usando o sofá do jeito que estava mesmo. Com um bebê em casa, a última coisa que pensamos por alguns bons meses foi o sofá! Mas recebemos cobranças: “cadê o sofá pronto?”, “e o sofá?”. E com razão, né gente, isso tava virando um encosto! Mas ele está aí ó, bunitão,em todo seu esplendor!)

E chega ao fim a saga do sofá feito em casa!

Nosso sofá, feito pelo marido, à mão, do zero, na coragem, na raça, em nosso pequeno apartamento! Agora a gente ri à toa, se refestela, senta e faz pose, porque olha, acho que foi o projeto mais demorado e trabalhoso em que embarcamos! Meu marido é a criatura mais destemida e doidinha que conheci. Tô pra ver um projeto que ele não tope! Ele arregaça as mangas, estufa o peito e, com os olhos cerrados, faz sinal de “vem!” com as mãos, rs… é a locomotiva do Tofu Studio!

Pois então, a maioria dos sofás DIY que vemos por aí internet afora usa pallets, alguma base ou aproveita alguma estrutura pronta ou semi-pronta. Nós queríamos fazer um sofá do nada, fazer surgir um móvel das nossas cabeças e mãos mesmo, não queríamos uma reforma, um tapinha num sofá antigo, nada disso! Queríamos um pouco de mágica e desafio, porque às vezes isso é fundamental pra vida ter mais sentido! Pensamos na estrutura, resistência, na forma, inclinação…  todo um trabalho de engenharia começou a tomar corpo. Depois foi o serviço braçal: juntar madeira, colar, parafusar, fixar as espumas, fazer os moldes dos tecidos, costurar e ter a devida paciência pra ver nascer o móvel tão aguardado, tão querido…

Dito isto, vou pedir meu champanhe e soltar um “Viva, conseguimos!”, porque ra-paz foi quase um parto (mentira, o parto doeu mais!), mas o bichinho ficou tão lindo, forte, confortável, na minha medida (a sola dos meus pés encostam no chão, coisa inédita na minha existência) e melhor, na medida da nossa necessidade, da nossa sala. Tem coisa melhor do que aquelas feitas por nós mesmos, na medida para o nosso uso, para o nosso espaço e bolso?

A ideia inicial era fazer um sofá de 3 lugares, mas pequeno. Sempre que víamos sofás em lojas, achávamos os de 3 lugares grandes demais para o nosso espaço e o de 2, achávamos pequenos. Não queríamos também encosto e braços muitos largos para economizar espaço (vocês sabem, em apartamento pequeno, cada cm conta!) e, sobretudo, queríamos algo simples, honesto, que não custasse um rim traficado e, se tivesse uma carinha vintage, com aquele climão Mad Men, seria o sonho, ou seja, tava osso encontrar um sofazinho pra chamar de nosso…

Lá no primeiro post eu disse que íamos fazer só a estrutura de madeira e que o estofamento seria encomendado com um tapeceiro… tsc, tsc, tsc. Acabamos fazendo é tudo! Neste momento eu levanto minha placa de “eu já sabia!”. Calaaaro que íamos fazer tudo, porque, digamos, curtimos uma aventura e (droga!) essa coisa de ser crafter impregna na gente e não larga mais!

Deixei aqui em baixo uma retrospectiva do projeto em fotos, desde os primeiros desenhos até o sofá pronto com o distinto usuário Eric, todo metido. O que posso garantir é que nosso sofá é bem mais robusto, resistente e valente do que os sofás que vimos lojas afora, porque, vou te falar, tem cada móvel ruinzinho dando pinta de bacana nas vitrines, com preços tão desaforados que só rindo! Não se deixem enganar, hein! Olho clínico, gente, olho clínico!

Forramos a estrutura com uma espuma fina. No encosto usamos espuma densidade 28 e no assento, densidade 33. Os pés são palito (um achado!) e fizemos acabamento em capitonê (botãozinho), com recortes e pespontos no encosto e no assento, olha aí:

não ficou lindão? Ouço fogos e rojões ecoando na minha cabeça :D

 

*update:

quase ia esquecendo do orçamento: gastamos com o sofá, módicos R$ 512,20, uma bagatela se comparado aos sofás de qualidade semelhante que vimos nas lojas, que chegavam a custar 5 a 8 vezes mais!

lista dos materiais:
madeiras + serviço de corte: R$ 167,00
papelão: R$ 12,00
5 pés de madeira: R$ 90,00
lixas: R$ 3,20
espumas: R$ 149,00
zíperes: R$ 3,00
tecido do forro: R$10,00
sarja: R$ 60,00
parafusos de reforço: R$ 18,00
já tínhamos botões forrados, linha, parafusos, cola, grampeador de tapeceiro, verniz e pincéis em casa!

 

 

uma blusa de cambraia de algodão

Desencavando projetos antigos… fiz essa blusa há tempos e a uso demais e não sei por que raios ela não está aqui neste blog! Ela até já apareceu no Tofu junto com uma malinha de mão!

Usei só 1 metrinho de uma cambraia japonesa linda com essa estampa delicada, com uma carinha retrô fofa. Ela estava aqui de bobeira faz tempo. Aliás o que mais tenho é tecido que comprei pensando em fazer uma blusa, um vestido, um casaco (as ideias são sempre geniais e urgentes quando estamos nas lojas, né!?) e eles foram se multiplicando, se amontoando… ô vício, viu! Acontece que o tempo é sempre muito mais curto que meus projetos! Aí a conta não fecha, as coisas não se equilibram.

O legal de fazer minhas roupas é que passei a valorizar meu tamanho, porque ser pequena é bem econômico. 1 m ou 1,5 m de tecido dá pra fazer muita coisa. Nessa blusa, ainda deu pra fazer essa gola laço espetáculo (que eu adoro!). Ela fica ótima usada com cardigans, jeans e sapatilhas, combinação charmosa, fácil e rápida, como eu gosto!

♥♥♥

o tecido do sofá #fazendomeusofá

A chapa tá quente aqui no estúdio e eu ando sumidinha, é verdade, mas é por uma causa muito nobre, que é atender aos pedidos vários que vêm de todo esse país e tentar fazer o Natal de várias pessoinhas um pouco mais iluminado, mais craft, mais sustentável e bacana (sim, o Tofu quer tudo isso!). Tem muita coisa personalizada, muita capinha, carteira, moedeiro para os mais variados fins e para as mais felizardas presenteadas. E vocês sabem: eu atendo, corto, passo, costuro, reponho o material, fotografo, trato, edito, sirvo o cafezinho e agora, tudo isso, com uma barriga de quase 8 meses, que me faz dividir meu tempo com caminhadas e yoga diários, ou seja, não sei o que é tempo livre faz tempo! O bacana é que estou me sentindo maravilhosamente bem, sem nenhuma queixa mais aguda quanto a dores, inchaço e mal estar, não posso reclamar, né! Aí O sofá foi um pouco escanteado, mas o marido está fazendo o coitadinho quando sobra um tempo, no fim do expediente, tarde da noite… vocês sabem… novembro e dezembro são os meses do cão! Tirei uma fotinha do tecido, uma sarja pistache para vcs darem uma espiada. A cor não é bem essa da foto aí de cima, que ficou meio precária. Já forramos 2 almofadas do assento! Assim que o bichinho estiver mais apresentável faço um update digno. Por enquanto, acompanhem as novidades lindinhas que vão aparecendo lá na loja!

o Sofá tomando forma! #fazendomeusofá

Já colocamos o assento e o encosto de espuma no sofá! Usamos uma espuma bem firme no assento (densidade 33 com 12 cm de altura) e outra mais light no encosto (densidade 26 com 10 cm de altura). Ficou perfeito pra mim, que sou baixinha e cuja coluna sofre nos sofás dos outros (ou o pé não chega no chão ou o bumbum não chega no encosto, um uó!). Agora posso dizer aos quatro ventos que tenho um sofá sob medida para mim! Quer luxo maior?

E vocês viram os pezinhos, como ficaram lindos, hein?

Deem uma espiada por baixo, a estrutura está beeem firme, muitos parafusos e reforços! Ainda vai um quinto pé bem no meio do sofá para dar mais sustentação:

Agora falta a parte “mole” do projeto: os tecidos, a costura, modelagem… Já começamos a fazer e já adianto que nosso sofá será… verde!

*O marido tem trabalhado intensamente quase todos os dias no sofá, tadinho! Tô até pensando num agradinho fofo depois dessa jornada, que ele merece!

começando a trabalhar com a espuma #fazendomeusofá

O sofá anda vagarooooso com o tanto de encomendas que temos aqui no estúdio (fim de ano acaba com a gente!), mas no meio da correria toda, começamos a colar as espumas do nosso tão aguardado sofá. Compramos espumas de 10 e 30mm para proteger as regiões duras do sofá: braços, encosto e a frente do assento. Yes! Agora é só comprar as espumas mais grossas e mais durinhas para fazer o assento e o encosto. Depois entra a parte do tecido e os pés, que vamos mandar tornear. Ainda estamos decidindo se faremos cantos com vivos e se faremos encosto capitonado…importantes decisões estão por vir!

acompanhem os próximos capítulos da construção do nosso famigerado sofá ;D