playground para gatinhos

Nov 17

Juro, gente, que se eu fosse um pouco mais surtada e fizesse um quarto só pro Pupu, ia ser desse jeitinho, sem tirar nem por:

via Moderncat

Leia mais

a história do Pupu

Mar 24

Não pensávamos em ter nenhum bichinho no momento que Pupu apareceu em nosso portão. Era noite de outono, 5 de maio, e o frio já se sentia. Ouvimos um miadinho discreto e abafado depois do jantar. A rua estava silenciosa. O barulho foi ficando mais próximo e insistente depois de algumas horas. O marido, fofamente, perguntou, feito criança, se podíamos ter um gatinho. Como dizer não a um pedido assim repentino e sincero? Descemos. Do outro lado da rua havia uma criaturinha pequena, feinha e desgrenhada. Foi só chamar com entusiasmo, dando tapinhas nas coxas, que ele atravessou a rua correndo, feito cena de cinema (só faltou a câmera lenta) e recebeu muitos afagos. Não estava sujo, apenas desamparado e assustado. O marido concluiu que era fêmea, decididamente uma fêmea. Como era ele que tinha mais experiência com gatos (ele já teve 3), o gatinho ficou sendo gatinha. Procuramos por pulgas e sinais de doenças e ele parecia bem saudável, mas faminto. Não tínhamos nenhuma comida apropriada para gatos obviamente, então na falta de opção oferecemos um pires de leite, que ele atacou vorazmente. A primeira noite, ele passou em nossa cama, pois ele tremia muito de frio e ronronava tresloucadamente. O primeiro xixi, foi no ralo do banheiro sozinho sem orientação, um verdadeiro gentleman – ou lady na época. Como a suposta gatinha era siamesa ou metade siamesa, quisemos dar um nome oriental a ela: Pei-pei. Só que a fêmea foi virando macho à medida que 2 bolinhas delatoras foram crescendo junto com ela ou ele. Nessa altura, sua masculinidade já era inegável. Pei-pei virou definitivamente Pupu e ele se tornou o maior companheiro do marido! Mesmo hoje, após 3 anos, eles ainda brincam feito crianças e eu ainda me emociono ao ver como eles se amam. Pupu exige muita atenção do marido nas manhãs de trabalho no estúdio, perseguindo-o fielmente. Ele adora andar de carro e receber cafuné enquanto come, odeia ficar sozinho, reconhece o barulho do carro quando a gente chega e fica nos esperando na porta! Pupu é um gatinho esnobe e seletivo, capaz de comer todos os delicrocs do pratinho e deixar o resto pra trás. Ele adora água do filtro e vem correndo todo pidão quando estamos nos servindo de um copo.

Pupu cresceu em meio a máquinas de costura, dormindo ao som dos motores, entrelaçando-se em nossas pernas enquanto pisávamos nos pedais, praticamente um gatinho costureiro e a maior testemunha do desenvolvimento do Tofu Studio! Como não sabemos quando ele nasceu, comemoramos todos os anos, no dia 5 de maio, sua chegada. Pupu apareceu em nossas vidas como algumas das melhores coisas costumam acontecer, assim espontaneamente, sem muitos planos e sem aviso e agora já não sabemos viver sem ele!

Leia mais

gatinhos com polegares

Mar 02

ha, bem que eu sempre desconfiei que eles fazem um monte de coisas enquanto a gente está fora…

Leia mais

ZzzzZZ

Feb 07

Agora minha mesa é o dormitório oficial do Pupu aqui no Tofu. Ninguém consegue tirá-lo daqui, oh céus!

Leia mais

comendo com classe

Oct 05

Prometo que este blog não sucumbirá à tentação de virar um blog de gatinhos, mas gente o que faço quando vejo produtos tão finos e espertos como este? Inevitável né! Corro aqui para mostrar pra vocês! O gatinho de plástico que armazena ração e também tampa o pratinho é de uma marca tailandesa, Qualy (tem uma versão canina tb). Vale a visita, viu, porque eles têm muitas outras coisas fofex (inclusive as mais observadoras perceberão que a Tok Stok vende um passarinho da marca, que serve como gancho de parede)

meu gatinho Pupu quer!

Leia mais