Arquivo da tag: aniversário

2 anos do figurão

E ontem às 13h48 fez exatamente 2 anos que o Eric nasceu! 2 anos desde aquela tarde de chuva e trovoadas…

Fiz bolinho de milho no finzinho da tarde, o preferido dele no momento (a festinha será daqui a alguns dias). Ele morreu de medo da velinha faiscante e bem, ao contrário do que se idealiza, o momento do parabéns teve mais lágrimas do que risadinhas entusiasmadas. Mas a vida com filhos é isso mesmo, não dá pra criar expectativas nem sobre um simples parabéns, imagina sobre assuntos maiores, como quando ele vai largar as fraldas, quem ele vai ser, o que ele fará da vida… em 2 anos a gente filosofa menos e aprende que vai ter que administrar o caos (pequenos ou grandes) para todo o sempre. Filhos devem ser mesmo a maior aventura do mundo. A lista de coisas que podem dar errado é interminável: ele pode virar um psicopata, sádico, pode te matar, te internar num asilo decrépito, gostar do Luan Santana, entupir-se de refrigerante, adotar gírias deploráveis… Se for pensar bem, mas bem mesmo, ninguém teria filhos, mas acontece que tem gente que não pensa. Aliás, há muita gente que não pensa (pelo menos com a cabeça), como eu, e… reproduz! Nós aprendemos na marra a improvisar, planejar coisas em 2 minutos, a nos adaptar. Percebemos que tudo muda muito rápido, deixamos algumas frescuras de lado, a vida não pode mais ser planejada numa planilha de excel, como um dia uma versão longínqua e bobinha de você chegou a imaginar. A vida de pais não é melhor nem pior do que a de outros humanos sem filhos, é só diferente. Esta comparação, aliás, nem faz sentido, é como querer achar correspondências entre uma banana e uma maçã. Deixemos a banana ser banana e a maçã, maçã, sim? Só digo que é uma experiência intensa, íntima e que, se você permitir e for gentil com você mesmo, pode abrir caminho para um mundinho fantástico!

♥♥♥

a primeira festinha do Eric

Domingo fizemos uma festinha para comemorar o primeiro ano do Eric! No início a ideia era fazer algo na sala de casa mesmo e convidar no máximo os avós e tios, mas de última hora fomos convidando mais e mais pessoas queridas e a coisa cresceu um pouco (não tinha como não incluir todos que transmitiram tanto carinho pro Eric neste primeiro ano)! Foi tudo bem simples, divertido, corrido, com imprevistos de última hora… Organizamos tudo em uma semana, meio no improviso, juntando as louças, tecidos, aviamentos e papéis que já tínhamos em casa, comprando alguns descartáveis, encomendando os comes e bebes, fazendo nós mesmos algumas das comidinhas, aff… Deu trabalhinho, mas as coisas que a gente faz com mais carinho são as que dão mais trabalho mesmo, não é!?

Sim, eu sei que festa de criança costuma ser temática, mas eu não curto muito a ideia, sei lá! Sei que com crianças mais crescidinhas, os temas e personagens são inevitáveis, então aproveitei que o Eric ainda é bem pequeno e tá boiando pra fugir dos backyardigans, ursinhos pooh e cavaleiros do zodíaco (isso não tem mais, né?) enquanto ainda posso!

Mas olha, tivemos bastante sorte, principalmente com a decoração (não gastamos quase nada)! Como a mesa era bem comprida, cogitei em fazer uma toalha de mesa, mas como eu queria uma estampa geométrica grande, me frustrei nas lojas: só estampa miúda, florais, poás… Aí num lampejo lembrei que eu tinha esse lençol de solteiro quadriculado (sim, lençol) dando bobeira lá no fundo do armário, com essa cor linda, um amarelo bem forte, quase laranja! Aí fui garimpar tecidos lá no estúdio para fazer um saiote para a mesinha do bolo (usamos uma mesinha que já tínhamos em casa, que o marido fez há anos para servir de prateleira dentro do armário da cozinha da nossa primeira casa! > depois faço um post com os projetinhos de decor vapt-vupt que fizemos pra festa).

Achei esse brim amarelo-ovo que comprei quando comecei a fazer bolsas, vejam só… que tem o mesmo tom do lençol. Aí fechou! As cores da festa foram sendo definidas assim, meio que acidentalmente. Arrematei com um galão vintage, de flores, que era da época que meu pai tinha armarinho, ou seja, deve ter uns 30 anos (abafa!). Fomos no mercado comprar copinhos e na porta (juro!) havia esse dispenser laranja lindão com torneirinha e tudo, que combinou direitinho (às vezes essas coisas acham a gente, incrível! adoro isso!). Servimos suco de tangerina nele!

O bolo foi confiado a uma boleira old school, de primeira, que faz os bolos da família há décadas e faz bolinhos como os de antigamente, simples, sem firulas, com chantilly de verdade, frutas de primeira, muito leve, macio e honesto (faltou foto do bolo cortado):

O enfeite do bolo foi feito com cordão e recortes de cartões e folders que eu tinha em casa (gasto zero).

Docinhos de marzipan (adorava isso quando criança) e beijinhos:

Os beijinhos e cajuzinhos foram comprados no último minuto! Encomendamos marias-mole fofinhas no mercado central, mas esqueceram a nossa encomenda (não dá pra crer que alguém esquece encomenda de doces pra uma festa de criança… é quase uma maldade, meu deus!). Aí fomos eu e o marido procurar docinhos pela cidade em plena manhã de domingo… misericórdia! Qualquer coisa com açúcar àquela altura era lucro :P

Fiz pins para os docinhos com os galões também! Foi só recortá-los e colá-los nos palitinhos. Aqui em baixo, clássicos morangos com chocolate:

Também servimos banana com paçoca, quitute caipira, que aprendi a gostar com a minha mãe:

O marido fez uma letra caixa linda no dia anterior com os restos de um papel de parede que temos! Eu já tava querendo muito uma letra caixa para decorar o quarto do Eric e ela ficou bem charmosa na mesa!

Preparei cheesecake de copinho (este não precisa de forno), com compota de morangos caseira:

Brigadeiros, né, claro! Teve balas de coco e mini-croissants também (lá atrás):

Não tiramos nenhuma foto da mesa de salgados, olha o vacilo! Tinha sanduichinhos lindinhos, torradinhas e patê de ricota ao pesto (que eu mesma fiz) que vão ficar só na memória mesmo :(

Foi uma tardezinha bem gostosa, de clima ameno e aconchegante, só com as pessoas mais queridas:

O aniversariante na hora do parabéns, achando tudo muito estranho (por que todo mundo tá olhando pra mim? rs…):

Papais, ainda vivos e casados após este primeiro ano de Eric :)

 ♥♥♥

 

 

1 ano de Erix (o pequeno japonês-gaulês)!

Foi ontem! Eric deu uma voltinha no calendário e perfez seu primeiro ano! Teve chuva e trovões na hora do nascimento, exatamente como há um ano (espero ser sinal de bom agouro)! Terá festinha no domingo, mas ontem soprou a primeira velinha com os pais, assim que chegamos em casa.

Este primeiro ano foi:

arrebatador,

edificante,

inesquecível,

energizante,

desafiador,

corrido,

exigente

e feliz, de um jeito novo! A felicidade que mais tem sentido está dentro e não lá fora!

♥♥♥

 

contando anos

cafa-da-manha

Aniversário é aquela data gostosa, mas também reflexiva, tempo de fazer contas, rever os anos que se passaram, o que conquistamos, o que perdemos. Para mim, o saldo é mais que positivo: não poderia querer mais da vida. Ok, não fiquei milionária, não fiquei famosa, glamurosa (mas, ui, sou fina!), mas tenho alguém em quem confiar, alguém que não é um psicopata-maníaco-compulsivo, não, não, meu marido é bacana, normal dentro de suas possibilidades, generoso, me põe no eixo sempre, porque eu saio do prumo facinho. Ele é de aquário, como minha mãe, zen, não se abala e não se estressa com quase nada, é a serenidade na minha vida, é pra onde quero voltar sempre, é quem me acordou no sábado com o café da manhã mais lindo (ele é um exímio fazedor de panquecas, ha)! Depois de tantos anos, ainda me faz essas coisas, danado…

Continue lendo contando anos